jusbrasil.com.br
21 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - APELACAO / REMESSA NECESSARIA : APL 00211156320108190021 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-RJ_APL_00211156320108190021_0e23d.pdf
DOWNLOAD

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Vigésima Segunda Câmara Cível

●Apelação Cível nº 0021115-63.2010.8.19.0021

Apelante 1: ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Apelante 2: CENTRO DE ESTUDOS JURIDICOS DA DEFENSORIA

PÚBLICA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Apelada 1: ODETTE MARIA DE SALES

Apelado 2: MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS

Relator designado: DES. CARLOS SANTOS DE OLIVEIRA

A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER. PRESTAÇÃO DE SAÚDE. ENTES FEDERATIVOS. FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS. SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA DO PEDIDO. MANUTENÇÃO.

1. Direito fundamental à vida e à saúde. Hipossuficiência caracterizada. Comprovação da necessidade do exame e medicamentos elencados. Matéria pacificada. Art. 196 da Constituição Federal. Solidariedade entre os entes federativos. Recurso Extraordinário nº 855.178/SE. Tema 973 do Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 65 do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

2. Alegação de que os medicamentos elencados na inicial não estão incluídos na lista do SUS. Situação que não impede o fornecimento, conforme decisão proferida no REsp. 1.657.156/RJ, que teve seus efeitos modulados pelo Superior Tribunal de Justiça.

3. Isenção do Estado do Rio de Janeiro quanto ao pagamento de honorários em favor da Defensoria Pública. Instituto da confusão. Verbetes nº 421 e 80 da Súmula do Superior Tribunal de Justiça e do TJERJ, respectivamente. Afetação do tema ao regime de repercussão geral, pelo Supremo Tribunal Federal, que não tem o condão de modificar referido entendimento, pois ainda não há decisão daquela corte com eficácia vinculante. Precedentes deste órgão julgador.

DESPROVIMENTO DOS RECURSOS, POR MAIORIA.

Vistos, relatados e discutidos estes autos de apelação cível nº 002111563.2010.8.19.0021 em que são: Apelantes CENTRO DE ESTUDOS JURIDICOS DA DEFENSORIA PÚBLICA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO e OUTROS; e Apelados ODETTE MARIA DE SALES e OUTRO,

ACORDAM os Desembargadores que compõem a VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL do Tribunal de justiça do Estado do Rio de Janeiro, por maioria, em desprover os recursos , nos termos do voto do Relator designado, vencido o relator, que dava provimento ao recurso da CEJUR/DPERJ, negando o apelo do Estado.

Rio de Janeiro, 16 de abril de 2019.

Desembargador CARLOS SANTOS DE OLIVEIRA

Relator designado

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Vigésima Segunda Câmara Cível

●Apelação Cível nº 0021115-63.2010.8.19.0021

VOTO VENCEDOR

Trata-se de ação objetivando a condenar os réus, entes federativos, a fornecerem medicamentos necessitados pela demandante, portadora de glaucoma visual.

A sentença julgou procedente o pedido, confirmando a tutela de urgência, determinando o fornecimento dos medicamentos indicados na inicial, cabível a substituição por genérico equivalente, se houver. Deixou de condenar o Estado do Rio de Janeiro ao pagamento de honorários.

Apelações do Estado pela reforma da sentença.

Apelação do Centro de Estudos Jurídicos da Defensoria Pública, pugnando pela fixação de honorários advocatícios conforme prevê a lei processual.

É o relatório.

Inicialmente, preenchidos os requisitos de admissibilidade, passo a apreciar os recursos.

A sentença não merece reforma.

Inicialmente, assinale-se que recentemente o Superior Tribunal de Justiça julgou o REsp 1.657.156/RJ (recurso repetitivo) e determinou que o fornecimento de medicamentos fora da lista do SUS é possível observando-se três critérios:

1 - Comprovação, por meio de laudo médico fundamentado e circunstanciado expedido por médico que assiste o paciente, da imprescindibilidade ou necessidade do medicamento, assim como da ineficácia, para o tratamento da moléstia, dos fármacos fornecidos pelo SUS;

2 - Incapacidade financeira do paciente de arcar com o custo do medicamento prescrito; e

3 - Existência de registro do medicamento na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Não obstante, os efeitos da decisão foram modulados, de modo que referidos requisitos apenas serão exigidos para os processos distribuídos após a conclusão de referido julgamento, não sendo este o caso.

Assim, não há nenhum empecilho ao acolhimento do pleito autoral no caso.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Vigésima Segunda Câmara Cível

●Apelação Cível nº 0021115-63.2010.8.19.0021

Prosseguindo, resta pacifico no âmbito desta Corte que os entes federativos, quanto à prestação dos serviços de saúde, são responsáveis solidários, podendo a demandante ajuizar a demanda em face de qualquer um deles, ou de ambos, como no caso.

Este é o teor da Súmula nº 65 desta Eg. Corte, “verbis”:

"Deriva-se dos mandamentos dos artigos 6º e 196 da Constituição

Federal de 1988 e da Lei nº 8080/90, a responsabilidade solidária da

União, Estados e Municípios, garantindo o fundamental direito à saúde e conseqüente antecipação da respectiva tutela".

Destaque-se que os artigos, da Lei 8.080/90, ou demais leis de regência, não estabelecem a responsabilidade subsidiária do ente municipal. Ao contrário, ao mencionar o apoio técnico e financeiro a ser prestado pelos entes, os dispositivos da lei em comento deixam transparecer sua natureza de norma de administração interna. Assim, pode o autor/apelado pleitear de quaisquer dos entes federativos o fornecimento dos medicamentos de que necessita, pois se trata de uma garantia constitucional, na medida em que houve a negativa de fornecimento por estes entes públicos.

Espancando maiores dúvidas sobre o tema, Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso Extraordinário nº 855.178/SE, em sede de repercussão geral, fixou a seguinte tese:

Tema 973: O tratamento médico adequado aos necessitados se insere no rol dos deveres do Estado, sendo responsabilidade solidária dos entes federados, podendo figurar no polo passivo qualquer um deles em conjunto ou isoladamente.

No mérito, restou comprovado pelos elementos dos autos que a autora, pessoa idosa e portadora de glaucoma visual, necessita dos medicamentos indicados na inic...